Menu fechado

Serviço Social Sincero: 8 coisas sobre a profissão que você precisa saber

Observamos muitas dúvidas de estudantes e até mesmo de profissionais sobre questões que envolvem o serviço social. Então, de um modo simples, direto e sincero, buscamos responder alguns desses questionamentos. Confira!

1. Assistente Social é um (a) profissional que vai entregar cesta básica ou dar notícia de falecimento?

Não, não mesmo, absolutamente não! A cesta básica é um benefício eventual prestado pela política de assistência social e quem fez o acompanhamento do (a) falecido (a) é quem deve informar aos familiares sobre o falecimento.

Então o que faz o (a) assistente social?

Vejamos um trecho de Serviço Social na Cena Contemporânea de Iamamoto: os(as) assistentes sociais atuam na sua formulação, planejamento e execução de políticas públicas, nas áreas de educação, saúde, previdência, assistência social, habitação, meio ambiente, entre outras, movidos pela perspectiva de defesa e ampliação dos direitos da população. Sua atuação ocorre ainda na esfera privada, principalmente no âmbito do repasse de serviços, benefícios e na organização de atividades vinculadas à produção, circulação e consumo de bens e serviços. Mas eles(as) também marcam presença em processos de organização e formação política de segmentos diferenciados de trabalhadores (CFESS, 15/05/2008). 

Confira detalhadamente nessa tabela feita com base na Lei nº 8.662, de 7 de junho de 1993.

Competências Profissionais

Atribuições Privativas

Elaborar, implementar, executar e avaliar políticas sociais junto a órgãos da administração pública, direta ou indireta, empresas, entidades e organizações populares.

Coordenar, elaborar, executar, supervisionar e avaliar estudos, pesquisas, planos, programas e projetos na área de Serviço Social.

Elaborar, coordenar, executar e avaliar planos, programas e projetos que sejam do âmbito de atuação do Serviço Social com participação da sociedade civil.

Encaminhar providências, e prestar orientação social a indivíduos, grupos e à população.

Planejar, organizar e administrar programas e projetos em Unidade de Serviço Social.

Orientar indivíduos e grupos de diferentes segmentos sociais no sentido de identificar recursos e de fazer uso dos mesmos no atendimento e na defesa de seus direitos.

Assessoria e consultoria e órgãos da Administração Pública direta e indireta, empresas privadas e outras entidades, em matéria de Serviço Social.

Planejar, organizar e administrar benefícios e Serviços Sociais.

Realizar vistorias, perícias técnicas, laudos periciais, informações e pareceres sobre a matéria de Serviço Social.

Planejar, executar e avaliar pesquisas que possam contribuir para a análise da realidade social e para subsidiar ações profissionais.

Assumir, no magistério de Serviço Social tanto a nível de graduação como pós-graduação, disciplinas e funções que exijam conhecimentos próprios e adquiridos em curso de formação regular.

Prestar assessoria e consultoria a órgãos da administração pública direta e indireta, empresas privadas e outras entidades.

Treinamento, avaliação e supervisão direta de estagiários de Serviço Social.

Prestar assessoria e apoio aos movimentos sociais em matéria relacionada às políticas sociais, no exercício e na defesa dos direitos civis, políticos e sociais da coletividade.

Dirigir e coordenar Unidades de Ensino e Cursos de Serviço Social, de graduação e pós-graduação.

Planejamento, organização e administração de Serviços Sociais e de Unidade de Serviço Social.

Dirigir e coordenar associações, núcleos, centros de estudo e de pesquisa em Serviço Social.

Realizar estudos sócio-econômicos com os usuários para fins de benefícios e serviços sociais junto a órgãos da administração pública direta e indireta, empresas privadas e outras entidades.

Elaborar provas, presidir e compor bancas de exames e comissões julgadoras de concursos ou outras formas de seleção para Assistentes Sociais, ou onde sejam aferidos conhecimentos inerentes ao Serviço Social.

 

Coordenar seminários, encontros, congressos e eventos assemelhados sobre assuntos de Serviço Social.

 

Fiscalizar o exercício profissional através dos Conselhos Federal e Regionais.

 

Dirigir serviços técnicos de Serviço Social em entidades públicas ou privadas.

 

Ocupar cargos e funções de direção e fiscalização da gestão financeira em órgãos e entidades representativas da categoria profissional.

2. É fácil estudar serviço social?

“Estudar mesmo, de verdade” não. Uma coisa é dizer que estuda, outra é se esforçar para tal. O Serviço Social exige muita leitura, organização, cumprimento de prazos e a formação de um senso crítico em todos sentidos (nunca é tarde para mudar de postura). Você pode muito bem se formar “empurrando com a barriga”, isso é possível! Mas como diria José Paulo Netto: você será um (a) mero (a) operador (a) de políticas sociais ou aplicador (a) de questionário. 

Imagine… Você se formou “empurrando com a barriga”, aí o titio ou titia apadrinhou e conseguiu te dar um cargo comissionado. O que você sabe é muito insuficiente para dar um encaminhamento, prestar algum serviço ou oferecer algum benefício e aí você faz de forma errado, então prejudicou a pessoa que já estava em situação de vulnerabilidade… Complicado! Caso você se reconheça nesse perfil, esforce-se! 

Confira clicando aqui dicas para ter uma carreira de sucesso no Serviço Social.

3. É uma profissão que só vai trabalhar com pobres?

Não necessariamente. São muitos espaços de trabalho, mas na maioria desses espaços você vai realmente entrar numa favela, vai sentar numa cadeira e num sofá numa casa com as piores condições sanitárias, vai andar de Kombi ou carro institucional com uma equipe de profissionais.  E mais, o (a) assistente social tem um papel de educação “libertadora” e emancipadora para que os indivíduos em situação de vulnerabilidade saibam, além de buscar seus direitos, o porquê de se ter direitos. 

4. Só tem mulher em Serviço Social?

Não! Tem homem gay, trans e hétero, mas são poucos. A gênese da profissão está intimamente ligada, dentre outros fatores, a Igreja. Essa inserção impôs ao serviço social um caráter confessional, da ajuda e da caridade. E, dado o caráter machista da época, era delegada a mulher a “função” familiar de cuidado com a família, daí esse papel foi adaptado para prestação dessas práticas assistencialistas que remontam a origem da profissão, ou seja a mulher – e mulher virtuosa (de família branca, privilegiada) – iria fazer o que fazia de melhor (para o imaginário social da época): CUIDAR do próximo e fazer o bem. Hoje podemos dizer que existe uma inserção masculina, mas componente de uma imensa minoria, visto que a profissão foi moldada com essa característica.

5. O serviço social é petista ou partidário?

Não. O Serviço Social nem é petista, lulista, bolsonarista, cidista, haddadista, dilmista, aecista globista e, tampouco, partidário! Já os assistentes sociais podem ser o que quiserem, desde que sigam (e tem que seguir) o que tem no Código de Ética Profissional. 

Clique aqui e baixe e o Código de Ética Profissional do Assistente Social.

6. É uma profissão que tem caráter político?

O Serviço Social defende bandeiras: justiça, cidadania, igualdade substantiva, apoio às minorias, reformas sociais, defesa de direitos para as populações vulneráveis, luta contra o autoritarismo, racismo, machismo, sexismo etc. Então sim, o Serviço Social tem um caráter político! E sim, grande parte dos (das) assistentes sociais defendem, e tem toda liberdade para tal, determinados políticos que levantam suas mesmas bandeiras. No entanto, como ressaltamos anteriormente, o Serviço Social não é partidário.

Caso você veja algum assistente social na prestação de um serviço dizendo: “o prefeito, o vereador, o presidente te deu isso…”. É um pensamento e uma prática profissional realizada de modo equivocado e que não condiz com o Código de Ética Profissional.

7. Serviço Social por amor?

Não. Amor não paga as contas. O serviço social é uma profissão assalariada, que tem um (a) profissional que precisa sustentar a si mesmo (a) e a família. Então, pense em serviço social por compromisso com a justiça, com a dignidade, com as lutas sociais, com as minorias sociais, com uma sociedade livre e com a categoria profissional.

 

8. Serviço Social dá dinheiro?

Outra coisa que depende. Do tempo e condições que se tem para estudar, das estratégias, de contatos (sim), de projetos, do momento no qual a sociedade, no sentido político e econômico, se encontra etc. 
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *